Como funcionam os tubarões

Autor: 
Tom Harris

Os tubarões estão entre as criaturas mais assustadoras da Terra. Os fósseis de tubarão mais antigos datam de mais de 300 milhões de anos atrás, antes da era dos dinossauros. Além disso, algumas espécies existentes, como o tubarão de chifres, mantêm as mesmas características básicas há mais de 150 milhões de anos.

Os cientistas atribuem essa longevidade notável aos desenvolvimentos fisiológicos superiores dos tubarões. Os tubarões são dotados de características especiais que os tornam altamente eficazes, tanto como caçadores quanto como sobreviventes. Neste artigo, examinaremos essas qualidades únicas para verificar por que o tubarão é o rei dos oceanos.

um tubarão com dentes de tigre
Foto cedida Carl Roessler
Um raro tubarão-areia, fotografado na costa de Columbia

Anatomia do tubarão
Quando pensamos nos tubarões, geralmente imaginamos um animal como o mostrado nesta figura. A barbatana dorsal alta, o corpo em forma de torpedo e os dentes gigantes deste enorme tubarão-branco são conhecidos por quase todos. Porém, hoje existem mais de 400 espécies diferentes de tubarão e elas variam consideravelmente em tamanho e aparência. De fato, 50% das espécies de tubarão têm menos de um metro de comprimento. Então, o que caracteriza o tubarão?

o grande tubarão-branco
Foto cedida Carl Roessler
Um dos tubarões mais conhecidos, o grande tubarão-branco

Diversidade de tubarões

um tubarão-gato
Foto cedida Carl Roessler
Um tubarão-gato, caracterizado por um corpo forte e barbatanas flutuantes

Existem tubarões de todos os tamanhos e formas. Um dos menores, o pigmeu com espinhos, mede apenas 1,2 metro na idade adulta. O maior deles, o tubarão-baleia, pode atingir mais de 12 metros. Os tubarões altamente ativos tendem a ter o formato de torpedo, mas muitos dos menos ativos são bem magros. Os tubarões também divergem muito quanto aos seus hábitos e habitats. Eles vivem em todas as partes do mundo e nadam a qualquer profundidade. Os tubarões maiores, mais ativos, tendem a caçar na metade e nas partes mais superficiais do oceano, enquanto que muitos tubarões menores ficam perto do fundo do oceano. Alguns tubarões nadam longas distâncias diariamente, enquanto outros levam uma vida relativamente sedentária, limitando-se a uma área pequena.

Os tubarões, como as arraias e as quimeras, são diferenciados de outros peixes principalmente pela composição de seus corpos. A maioria dos outros peixes possuem esqueletos feitos de ossos, como os mamíferos, répteis, anfíbios e pássaros. Os tubarões e as arraias, por outro lado, possuem esqueletos feitos inteiramente de cartilagem, o mesmo material flexível de nossas orelhas e narizes. A cartilagem é resistente como o osso, mas sua densidade é muito menor. Esse material mantém os tubarões relativamente leves para que não afundem no oceano e não precisem de uma bexiga natatória como outros peixes.

A textura da pele dos tubarões também é bastante única. Eles não têm as escamas grandes e proeminentes encontradas nos peixes que possuem ossos. Em vez disso, eles são cobertos por escamas menores, como dentes, chamadas dentículos. Esses dentículos fortes e protetores são alinhados para canalizarem água pelo corpo do tubarão, minimizando o escoamento devido à fricção.

Serial killers

Estudo publicado na revista científica Journal of Zoology, da Zoological Society of London, indica que o método de caça dos tubarões-brancos se assemelha ao de serial killers.

Leia mais em VEJA.com

Como os peixes que possuem ossos, os tubarões respiram extraindo oxigênio dissolvido da água. A água entra na boca, passa pelas brânquias e é expelida através das fendas das brânquias atrás da cabeça. Em peixes que possuem ossos, essas fendas são cobertas, mas na maioria dos tubarões é possível vê-las claramente. Ao fluir através da abertura da brânquia, a água passa por pequenos filamentos branquiais. Estes filamentos são cobertos por capilares microscópicos que possuem uma quantidade menor de oxigênio do que a água ao seu redor. Essa diferença faz com que o oxigênio da água se difunda pela corrente sangüínea do tubarão, onde é distribuído por todo o corpo.

Alguns tubarões possuem uma bomba branquial, um conjunto de músculos que suga a água e a empurra para fora das brânquias. Este mecanismo funciona mais ou menos como nossos pulmões: o tubarão pode reter oxigênio continuamente enquanto está na posição estática. A maioria dos tubarões também extrai oxigênio usando a ventilação forçada, que passa a água através das brânquias por meio do movimento à frente. Alguns tubarões ativos dependem quase completamente da ventilação forçada, o que significa que eles permanecem em movimento a maior parte do tempo.

um tubarão-dormedores
Foto cedida Carl Roessler
Um tubarão-dormedor fotografado na costa da Austrália: os tubarões-dormedores, que caçam principalmente no fundo do oceano, possuem uma bomba branquial que lhes permite respirar sem se mover na água

Também na hora de se mover os tubarões diferem da maioria dos peixes com ossos. Na próxima seção, veremos como os tubarões nadam com tanta rapidez e graciosidade.

Teste seus conhecimentos sobre:

Tubarões