Como funciona a gravidade

Existem duas forças da natureza que estão presentes nas nossas vidas: a gravidade e o magnetismo. Você deve ter ímãs em sua geladeira e sabe que um íma atrai o metal da geladeira com uma certa quantidade de força. Esta força de atração depende da intensidade do ímã e da distância entre o ímã e o metal. Você também deve saber que os ímãs têm dois pólos, norte e sul. Ambos os pólos atraem aço ou ferro, igualmente bem, o norte atrai o sul e pólos semelhantes se repelem.

Com relação à gravidade, Newton foi a primeira pessoa a estudá-la com seriedade e, assim, desenvolveu a lei da gravitação universal.

    "Cada partícula de matéria atrai a outra partícula com uma força, que é diretamente proporcional ao produto das suas massas e, inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas".

A fórmula padrão da gravidade é:

 

Força gravitacional = (G * m1 * m2) / (d2)

Onde G é a constante de gravitação, m1 e m2 são as massas dos dois objetos para os quais você calcula a força e d é a distância entre os centros de gravidade das duas massas.

O valor de G é 6,67 x 10-8 dinas * cm2/gm2 (ou 6,67 x 10-11 m3/kg*s2 no Sistema Internacional de Unidades). Isso significa que se você colocar dois objetos de 1 grama a 1 centímetro de distância, eles vão se atrair com uma força de 6,67 x 10-8 dinas. Um dina é igual a cerca de 0,001 grama-força. Isso significa que se você tem 1 dina de força disponível, ela pode levantar 0,001 grama no campo gravitacional da Terra. Então, 6,67 x 10-8 dinas é uma força minúscula. Mas, quando você está lidando com corpos gigantesco como a Terra, que tem uma massa de 6 x 10 +24 quilogramas, a força também se torna muito poderosa. Também é interessante saber que cada átomo atrai todos os outros átomos do universo de forma tênue. />

Einstein veio depois e redefiniu a gravidade. Então, existem dois modelos: o de Newton e o de Einstein. A teoria gravitacional de Einstein tem características que permitem prever o movimento da luz em torno de objetos de massa muito grande, além de prever outros fenômenos interessantes. De acordo com a Enciclopédia Britânica (em inglês):

    "A teoria geral da relatividade aponta o problema da gravidade e do movimento não-uniforme (ou acelerado). Em um dos seus experimentos, Einstein mostrou que não é possível distinguir um referencial inercial em um campo gravitacional de um referencial acelerado. Isto quer dizer que um observador, dentro de uma cápsula espacial fechada, que empurra o seu próprio corpo em direção ao assento, não saberia dizer se ele e a cápsula estavam em repouso em relação ao campo gravitacional ou se ele e a cápsula estavam em um movimento acelerado. De acordo com este princípio de equivalência, Einstein mudou para uma interpretação geométrica da gravitação. A presença de massa ou energia concentrada gera uma curvatura local no continuo do espaço-tempo. A curvatura é tão acentuada que as trajetórias inerciais dos corpos não são mais linhas retas, e sim, um tipo de trajetória curva (orbital). Esta aceleração é chamada de gravitação".

Enquanto algumas suposições e simplificações são feitas, as equações de Einstein lidam com a teoria de gravidade de Newton como um subconjunto.

Por que os átomos se atraem? Esta pergunta ainda não foi totalmente entendida. O objetivo é combinar gravidade, eletromagnetismo e forças nucleares fortes e fracas em uma única teoria unificada (veja esta página - em inglês - sobre a teoria da gravitação qüântica).

Estes links o ajudarão a aprender mais: