Como funciona o Pleo

Autor: 
Tracy Wilson

Nas palavras de John Sosoka, vice-presidente de tecnologia da Ugobe, muitos dos robôs à venda para os consumidores atuais servem para "na verdade celebrar o fato de que são robôs. Se você observa um Roboraptor ou um Sony AIBO, o mais interessante sobre eles é que sejam robôs". A alternativa seria o Pleo, uma nova forma robótica de vida desenvolvida pela Ugobe. O Pleo celebra sua condição de dinossauro.

Pleo
Foto cortesia Ugobe
Pleo: um camarassauro robotizado. Veja mais imagens de robôs (em inglês)

Em lugar de ter um corpo quadradão e membros com juntas visíveis, o Pleo se assemelha a um bebê camarassauro. Os camarassauros eram saurópodes, dinossauros herbívoros, quadrúpedes e de grande porte que viveram mais de 150 milhões de anos atrás em territórios que hoje formam a América do Norte e a Europa. Atingiam tamanho superior a mais de 18 m de comprimento, com peso de cerca de 18 toneladas. Mas os bebês da espécie, nascidos de ovos, eram pequeninos - mais ou menos do tamanho do Pleo.

Ao contrário dos dinossauros reais, o Pleo não tem sexo. "Ele não é necessariamente um 'ele', mas usar esse pronome é mais fácil para mim", diz Sosoka. Para fins de consistência, nós também presumiremos que o Pleo seja macho. Nos primeiros cinco ou 10 minutos de sua vida, ele age como qualquer criatura que nasça depois de chocada, abrindo os olhos lentamente para se acostumar à luz. Depois, por 30 a 45 minutos, ele age como um bebê pequeno, explorando e se adaptando lenta e hesitantemente ao mundo que o cerca. Depois disso, se torna adolescente. Pasta, fareja, brinca, rebola. Explora o mundo, responde a pessoas e a outros Pleos, e interage com o ambiente que ocupa.

É preciso mais que uma camada de pele de aparência realista para fazer com que esse processo pareça real e não robótico. E embora o Pleo seja feito com muitos dos componentes utilizados em outros robôs, eles operam juntos com um propósito ligeiramente diferente - criar uma ilusão de vida. Em lugar de apenas criar um robô funcional, criam uma representação convincente de um dinossauro bebê.

Neste artigo, estudaremos a tecnologia que possibilita o Pleo. Começaremos observando de que maneira o Pleo surgiu e porque ele ganhou a aparência de um camarassauro e não a de um tiranossauro ou brontossauro.

Agradecimento Especial

Agradecemos
a John Sosoka, o vice-presidente de tecnologia da Ugobe, e Julia Stemerman, da SHIFT Communications, por sua contribuição indispensável a este artigo.