Anatomia de uma girafa

Autor: 
Cristen Conger

Certas características do pescoço da girafa (em inglês) dão a ela uma grande flexibilidade. A primeira é a maneira como as vértebras do pescoço, chamadas vértebras cervicais, são unidas entre si. Lembre-se de que a girafa possui sete desses ossos, exatamente como os seres humanos. Contudo, as vértebras cervicais das girafas são ligadas como juntas esféricas [fonte: Owen (em inglês)]. Esse é o tipo de junta que une seu braço a seu ombro e que oferece um âmbito de movimento de 360 graus. Além disso, a junta entre o pescoço e o crânio permite à girafa estender a cabeça em posição quase completamente perpendicular ao solo.


giraffe vertebrae

Descendo para onde o pescoço encontra as costas, está a segunda característica anatômica importante para a flexibilidade da girafa: as vértebras torácicas. Nos seres humanos, as vértebras torácicas são ligadas na metade do osso para proporcionar estabilidade adicional e nossas vértebras cervicais se unem na frente e atrás para dar mais mobilidade. A anatomia da girafa não segue essa mesma construção e sua primeira e segunda vértebras torácicas são ligadas da mesma maneira que suas cervicais, com juntas esféricas [fonte: Dagg and Foster]. Essa adaptação dá às girafas um ponto extra de flexibilidade. Isso também contribui para a "corcunda" da girafa [fonte: Encarta].

Essa parte altamente flexível, embora pesada, do corpo é que confere o movimento desajeitado do animal. Observe uma girafa e você vai notar que o pescoço se move para trás e para frente com seu passo largo. Isso ocorre porque o peso e o movimento do pescoço guiam o centro de gravidade da girafa [fonte: Dagg and Foster]. O animal também movimenta seu pescoço de um lado para o outro, o que o ajuda a se erguer em uma posição ereta sobre suas pernas delgadas.

Como outra conseqüência do longo pescoço, o sangue de uma girafa tem uma longa jornada a percorrer. Por essa razão, a anatomia de uma girafa é realmente espantosa. O animal possui um sistema cardiovascular especializado que mantém o sangue circulando adequadamente para o cérebro e para o coração enquanto move seu pescoço e cabeça em todas as direções, garantindo que abaixar para tomar um golinho de água não vai provocar uma vertigem possivelmente letal [source: Dagg and Foster]. Os vasos sanguíneos das girafas são equipados com válvulas que previnem o retorno do sangue devido à gravidade [fonte: Wood and Johansen]. Elas também têm uma concentração maior de células vermelhas no sangue, corações maiores e a pele mais apertada, especialmente ao redor das pernas, o que ajuda o sangue a circular melhor [fonte: Dagg and Foster].

Mantendo tudo caminhando de maneira constante e serena, a girafa também respira em ritmo relativamente lento. Seus pulmões dilatados compensam o vasto comprimento da traquéia enquanto o ar viaja para cima pela longa estrada do pescoço.

Para aprender mais sobre girafas, visite os links na próxima página.