Como funcionam os fósseis de dinossauros

Autor: 
Publications Ltd.

Fósseis de dinossauros

Nosso conhecimento dos dinossauros deriva daquilo que eles deixaram na terra como fósseis. Mas poucos materiais provenientes de dinossauros foram fossilizados pela natureza (e a natureza mesma em muitos casos se torna a inimiga dos fósseis). O vento e o clima podem danificar frágeis fósseis, mas a erosão também os expõem a colecionadores e paleontologistas.



Apatosaurus skull
Museu Americano de História Natural
Crânio de apatossauro

Os cientistas estudam esqueletos de dinossauros para aprender sobre o comportamento e aparência dos animais. O crânio é especialmente importante. Os dentes de um dinossauro podem nos informar se ele era um animal primitivo ou avançado, se comia plantas ou carne, e até se ele comia plantas macias ou duras. O crânio também informa se seu cérebro era grande ou pequeno, e se sua vista, audição e faro eram bons ou fracos. A forma do crânio de um dinossauro também nos diz a que outros dinossauros ele era aparentado e onde ele se enquadra na árvore genealógica da espécie.

Ainda que o crânio seja importante, os paleontologistas podem revelar muito sobre um esqueleto de dinossauro que não tenha cabeça. Muitos esqueletos são localizados sem crânios e existem também outras pistas que os dinossauros deixaram, todas as quais fornecem informações sobre seu estilo de vida e seus hábitos. Os cientistas descobriram trilhas (pegadas fossilizadas) de dinossauros, ninhos e ovos. Mas mesmo com essa informação, há muita coisa que não se poderá saber. O histórico fóssil é incompleto e pode ser enganoso. Os paleontologistas continuam suas buscas, na esperança de revelar outras pistas que lhes ofereçam mais informações sobre os dinossauros.