Picadas, doenças e proteção

Autor: 
Craig Freudenrich, Ph.D.

Como mencionado anteriormente, só os mosquitos fêmeas picam. Elas são atraídas por várias coisas, incluindo calor, luz, transpiração, odor corporal, ácido láctico e dióxido de carbono. A fêmea pousa na pele e perfura-a com a tromba (a tromba é muito afiada e fina, a picada pode passar despercebida). A saliva da fêmea contém proteínas (anticoagulantes) que evitam a coagulação do sangue. Ela suga o sangue que vai parar no abdômen (cerca de 5 microlitros por refeição para um mosquito Aedes aegypti).


Imagem cedida por centros de controle e prevenção de doenças
Fêmea do mosquito Anopheles gambiae se alimentando. Pode-se ver como seu abdômen aumenta com a chegada do sangue.

Se ela for perturbada, alça vôo e escapa. Caso contrário ela fica até encher o abdômen completamente. Se cortássemos o nervo que a faz sentir o abdômen, ela continuaria sugando até arrebentar.

Depois da picada o mosquito deixa um pouco de saliva na ferida. As proteínas da saliva evocam um resposta imunológica do corpo. A área picada incha criando uma pústula e o inchaço no seu entorno coça como reação à saliva. Depois de algum tempo o inchamento desaparece mas a coceira continua até que as células de imunidade decomponham as proteínas da saliva.

Para tratar picadas de mosquito, lave a picada com sabão suave e água. Procure não arranhar a área picada, por mais que ela coce. Alguns remédios contra coceira podem dar alívio como loções de calamina ou cremes de cortisona vendidos mesmo sem receita em farmácias. De uma forma geral as picadas dispensam assistência médica (salvo se houver tonteira ou náusea, sinais de forte reação alérgica).

Doenças

Não transmite HIV
O vírus da imunodeficiência humana (HIV) que causa a AIDS não sobrevive no mosquito, não podendo portanto ser transmitido pelas picadas de uma pessoa para outra.

Os mosquitos podem veicular muitos tipos de doenças causadas por bactérias, parasitas ou vírus. Dentre essas doenças podem ser lembradas:

  • a malária - causada pelo mosquito anféles. O parasita cresce na corrente sanguínea e causa sintomas dentro de seis a oito dias, ou mesmo após vários meses depois de contraída a infecção. Os sintomas incluem febre, calafrios dores de cabeça, dores musculares e mal estar generalizado (semelhante aos sintomas da gripe). A malária é uma doença grave que pode ser fatal, mas pode ser tratada com drogas antimalária. Ela ocorre com maior freqüência nos climas tropicais e subtropicais;
  • febre amarela - a febre amarela, prevalente na África e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, não existe nos Estados Unidos. Seus sintomas são semelhantes aos da malária, mas incluem náuseas, vômitos e icterícia. Assim como a malária, a febre amarela também pode ser fatal. Não existe tratamento para a doença propriamente dita, somente alívio dos sintomas. A febre amarela pode ser controlada pela vacinação e pelo controle do mosquito;
  • encefalite - é transmitida por vírus através de mosquitos como o Aedes ou o Culiseta. Os sintomas da encefalite são febre alta, rigidez no pecoço, dor de cabeça, confusão, indolência e sonolência. Existem vários tipos de encefalite que podem ser transmitidos por mosquitos, denominadas St. Louis, equina ocidental, equina oriental, La Crosse e oeste do Nilo. A encefalite oeste do Nilo, em ascensão no leste dos Estados Unidos, tem causado preocupações quanto à eficácia das medidas de controle dos mosquitos;
  • a febre da dengue - é transmitida pelo mosquito tigre asiático, nativo do leste da Ásia, tendo aparecido nos Estados Unidos em 1985. Também é transmitida pelo Aedes aegypti nos trópicos. A dengue é causada por um vírus responsável por causar diversas doenças, desde a gripe viral à febre hemorrágica. É especialmente perigosa para as crianças.

As melhores formas para reduzir a incidência de doenças transmitidas por mosquitos é o seu controle e a adoção de medidas de proteção pessoal. Algumas medidas podem ser tomadas para reduzir a quantidade de picadas enquanto estamos ao ar livre. Em primeiro lugar, use roupas que cubram a maior parte do corpo, caso não esteja fazendo muito calor. Em segundo, passe um repelente de mosquitos que contenha N,N-dietil-meta-toluamida (DEET), na concentração de 7,5% a 100%. As concentrações mais baixas são suficientes para a maior parte da proteção ao ar livre e 15% é a concentração recomendada para crianças. O Permetrin, um pesticida eficaz, deve ser usado apenas nas roupas. Nunca o aplique na pele, trata-se de uma neurotoxina. Para aprender mais sobre repelentes de mosquitos, consulte a USEPA, agência de proteção ambiental dos EUA, em Como usar repelentes de insetos eficientemente (site em inglês).

Além dos repelentes de mosquitos e das roupas, pode-se tentar o controle sobre a população dos mosquitos. Os mosquitos precisam de água para procriar e fazem uso da água parada onde quer que ela esteja.

Imagem cedida por centros de controle e prevenção de doenças
Os mosquitos procriam onde a água empoça; usam, portanto, baldes, pneus velhos, tambores de coleta de água de chuva e urnas de cemitérios. Clique na imagem para vê-la ampliada.

Portanto, para reduzir a população de mosquitos, elimine a água parada em seu quintal. Esvazie latas de água, remova pneus velhos e cubra os tambores de coleta de água de chuva.

Imagem cedida por centros de controle e prevenção de doenças
Recolhendo os pneus velhos e cobrindo os tambores de coleta de água de chuva reduzimos os locais potenciais de procriação dos mosquitos

Caso exista um laguinho no seu jardim, ponha nele alguns peixes para que eles comam as larvas dos mosquitos. Alguns derivados de petróleo podem ser postos na água para formar uma superfície fina que sufocaria os ovos dos mosquitos. Entretanto, muitos produtos deste tipo também impediriam os peixes de respirar.

Para evitar que os mosquitos entrem em casa, assegure-se da integridade das telas nas janelas.

Finalmente, existem muitos pesticidas comerciais para matar larvas de mosquitos e mosquitos adultos. Muitas comunidades promovem grandes campanhas durante os meses de primavera e verão de aspersão de pesticidas visando o controle das populações de mosquitos, especialmente tentando reduzir focos da encefalite do oeste do Nilo (site em inglês).


Imagem cedida por centros de controle e prevenção de doenças
Trabalhador municipal em Miami, Florida, asperge inseticidas em valas para matar larvas de mosquitos

Mitos
Vários produtos naturais ou fabricados têm sido recomendados como repelentes de mosquitos ou tem fama de serem eficazes para o controle de mosquitos. O óleo de citronela, extraído de várias plantas e que pode ser usado em velas ou ser queimado diretamente, é um repelente eficaz de mosquitos em altas concentrações, mas a produção individual das plantas capazes de produzir este óleo é insuficiente para repelir mosquitos com eficácia. Os raios ultravioletas (como os empregados nas armadilhas eletrônicas de alta voltagem (em inglês: bug zappers)) e os aparelhos ultra-sônicos não são eficazes. Os mosquitos não ocupam lugar importante na dieta das andorinhas ou dos morcegos.

Para mais informações sobre mosquitos e o que pode ser feito a respeito deles, consulte os links na próxima página.