Como funcionarão as mochilas a jato pessoais

Autor: 
Kevin Bonsor
mochilas voadoras

Quando o automóvel rodou pela primeira vez por estradas empoeiradas no século XIX, ele permitiu que fôssemos a lugares que nunca tínhamos ido em questão de horas, em vez de dias. Ao contrário do trem, que condenava as pessoas a paradas e escalas, o carro nos deu o surpreendente senso de liberdade. Atualmente nossos carros ainda nos dão grande liberdade, mas em muitas cidades essa liberdade é contrabalançada pelo número de horas que ficamos parados em congestionamentos de tráfego. Um percurso que costumava ser de 20 minutos, em algumas cidades, hoje pode demorar uma hora ou mais.


Foto cedida por Amazon.com
As mochilas pessoais a jato surgiram em muitos livros e filmes

Não seria ótimo se a gente pudesse se deslocar sem se preocupar com o tráfego? Digamos que você se desloca com amigos e no meio do percurso para o trabalho, o tráfego fica congestionado. Você tem uma apresentação e simplesmente não pode chegar atrasado. Imagine o quão maravilhoso seria se você pudesse saltar do carro, pegar a mochila a jato no porta-malas e continuar sua viagem.

Na realidade, a palavra "mochila a jato" traz à mente imagens de Boba Fett (o caçador de recompensas de "Star Wars"), o filme "007 Contra a Chantagem Atômica", de 1965, com James Bond e o homem-foguete, que voou na cerimônia de abertura nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984. Esses dois últimos usaram o cinturão foguete da Bell, uma tecnologia de mochila a jato. Neste artigo, vamos examinar o cinturão a jato da Bell e vamos descobrir se precisamos arranjar espaço na garagem para um deles.