Como funciona a migração animal

Autor: 
Ed Grabianowski

migração animal

Há poucas visões mais majestosas do que a de uma migração animal em massa. Para os seres humanos, milhares de borboletas monarca se aninhando nas árvores ou dezenas de gnus correndo pelas planícies africanas são imagens belas e impressionantes. Para os animais, essas migrações são cruciais para a sobrevivência de suas espécies. Neste artigo, descobriremos mais sobre as maiores, mais longas e mais impressionantes migrações animais do mundo, e compreenderemos por que e como os animais empreendem jornadas espantosas como essas.

herd of caribou
Johnny Johnson/Getty Images
Manada de caribus selvagens migra no inverno, no Refúgio Nacional da Fauna Ártica, em Brooks Range, Alasca

Migração é o movimento, em larga escala, de uma espécie animal de um lugar para outro. As migrações geralmente estão associadas a mudanças sazonais de clima e padrões de alimentação, ou padrões de acasalamento e procriação. Algumas migrações não seguem esses padrões. Migrações irruptivas não seguem qualquer padrão e espécies nômades se movem de um lugar para outro sempre que se exaure seu suprimento de comida em uma determinada área [fonte: National Park Service (em inglês)].

Quando todos os membros de uma espécie migram, o processo é conhecido como migração completa. Se alguns membros de uma espécie ficam no mesmo lugar o ano todo enquanto outros migram, existe uma migração parcial. Isso normalmente ocorre quando o alcance de uma espécie é grande o bastante para que alguns espécimes vivam em um lugar sempre quente, enquanto outros vivam em uma região temperada que fica fria demais para eles no inverno. As corujas são um exemplo de animal que realiza migrações parciais [fonte: Bolen].

Os animais que vivem em áreas montanhosas podem empregar migrações de altitude. Em vez de percorrerem longas distâncias, eles se transferem para altitudes mais baixas quando a neve atinge os topos das montanhas. Algumas corujas pintadas o fazem, enquanto outros animais da mesma espécie, que não vivem em montanhas, seguem padrões diferenciados de migração [fonte: The Condor (em inglês)].

Uma mudança drástica no meio ambiente ou no clima pode resultar em uma migração de remoção. Caso o habitat de uma espécie se torne permanentemente inadequado para ela, como acontece quando o desenvolvimento humano drena um pântano ou abate completamente uma floresta, a espécie tentará se transferir para uma área diferente e não retornará ao seu lar original.

Caribu

Os caribus, uma espécie de animais de grande porte semelhantes aos cervos das latitudes setentrionais, detêm o recorde mundial em termos de distância de migração. A cada ano, três milhões de caribus realizam jornadas sazonais pela tundra do Ártico. Eles estão literalmente à procura de pastos mais propícios, sempre em movimento para localizar comida fresca. A distância percorrida varia de manada para manada: quanto maior a manada, mais longo o trajeto. Algumas percorrem mais de 3,2 mil quilômetros por ano [fonte: Arctic National Wildlife Refuge (em inglês), BBC].

Ainda que não existam mamíferos carnívoros que migrem regularmente, algumas alcatéias podem acompanhar uma manada de caribus por alguma distância, caso a comida se torne escassa em seu território de origem [fonte: Bolen].