Como funcionam as metralhadoras

Autor: 
Tom Harris

Alguns historiadores consideram a metralhadora uma das tecnologias mais importantes dos últimos 100 anos. Ela deu o tom brutal e duro da Primeira e da Segunda Guerra Mundial - e da maioria das guerras que ocorreram dali em diante. Com essa máquina, um soldado pode disparar centenas de balas por minuto, ceifando um pelotão inteiro em instantes. As forças armadas tiveram que desenvolver equipamentos de batalha pesados como tanques, apenas para resistir a esse tipo de barreira.


Imagem cedida pelo Departamento de Defesa
Fuzileiros navais americanos disparam uma metralhadora M-240G durante exercícios de treinamento na Base de Fuzileiros de Camp Lejeune, na Carolina do Norte. Metralhadoras médias como essas são um elemento essencial do arsenal moderno.

Feito notável de engenharia de precisão, as metralhadoras são na verdade surpreendentemente simples. Neste artigo, veremos os mecanismos que as metralhadoras usam para cuspir balas com uma velocidade tão violenta.

Conhecimentos de balística: cano
Para entender como funcionam as metralhadoras é importante saber alguma coisa sobre armas de fogo em geral. Quase toda arma é baseada em apenas um conceito: a aplicação de pressão explosiva atrás de um projétil para lançá-lo por um cano. A mais antiga, e mais simples, aplicação dessa idéia é o canhão.

Um canhão é apenas um tubo de metal com uma ponta fechada e uma aberta. A parte fechada tem um pequeno furo para a espoleta. Para carregar o canhão, coloca-se pólvora (uma mistura de carvão, enxofre e nitrato de potássio) e uma bala. A pólvora e a bala ficam na culatra, a parte de trás do buraco, que é a parte aberta no canhão. Para preparar a arma para um tiro, coloca-se a espoleta (um pedaço de material inflamável) pelo furo, para que chegue até a pólvora. Para disparar o canhão, acende-se a espoleta. A chama passa pela espoleta e chega na pólvora.

Quando se acende a pólvora, ela queima rapidamente, produzindo muitos gases. Estes gases aplicam muito mais pressão no lado onde está a pólvora do que o ar na atmosfera aplica do outro lado. Isso empurra a bala de canhão para fora da arma a uma grande velocidade.

As primeiras armas portáteis eram essencialmente canhões em miniatura; carregava-se com um pouco de pólvora, uma bala de aço e acendia-se a espoleta. Com o tempo essa tecnologia deu lugar às armas ativadas por gatilhos, como a espingarda de pederneira e a cápsula de percussão.

Uma arma com cápsula de percussão (esquerda) e uma espingarda de pederneira (direita). Para aprender mais sobre essas armas, leia Como funcionam as armas de pederneira.

As espingardas de pederneira acendem a pólvora produzindo uma pequena fagulha, enquanto as cápsulas de percussão usam fulminato de mercúrio, um composto explosivo que pode ser aceso com um golpe certeiro. Para carregar uma arma de cápsula de percussão, coloca-se pólvora na culatra, o projétil por cima de tudo, e uma cápsula de fulminato de mercúrio sobre um pequeno bocal. Para dispará-la é preciso armar o martelo e puxar o gatilho da arma. O gatilho libera o martelo, que se move para frente na direção da cápsula. A cápsula acende, disparando uma pequena chama pelo tubo até a pólvora, que explode e lança o projétil para fora do cano. Veja Como funcionam as armas de pederneira para mais informações sobre essas armas.

Conhecimentos de balística: cartucho
A próxima grande inovação na história das armas de fogo foi o cartucho de bala. De forma simples, os cartuchos são uma combinação de um projétil (a bala), um explosivo (pólvora, por exemplo) e uma cápsula (cápsula explosiva), tudo dentro de um pacote de metal.


Nem é preciso falar que os cartuchos foram um sucesso fenomental. De fato, eles são a base para a maioria das armas de fogo modernas. Na próxima seção, veremos como essas armas funcionam.

 

O movimento para trás do ferrolho também ativa o sistema de ejeção. O trabalho do ejetor é remover a cápsula usada do extrator e colocá-la para fora por uma saída ejetora.

Revólveres
Na seção anterior, vimos que um cartucho consiste em uma cápsula, um propulsor e um projétil, tudo em um pacote de metal. Esse dispositivo simples é a base da maioria das armas de fogo modernas. Para ver como isso funciona, veremos o padrão de dupla ação de um revólver.

Clique no gatilho para ver como um revólver dispara

Essa arma tem um cilindro giratório, com seis culatras para seis cartuchos. Quando você puxa o gatilho em um revólver, várias coisas acontecem:

  1. inicialmente, a alavanca do gatilho empurra o martelo para trás;
    • quando ele se move para trás, o martelo comprime uma mola de metal na coronha da arma;
    • ao mesmo tempo, o gatilho gira o tambor para que a próxima câmara da culatra seja posicionada na frente do cano da arma;
  2. quando você puxa o gatilho todo para trás, a alavanca solta o martelo;
  3. a mola comprimida faz o martelo ir para a frente;
  4. o martelo bate na espoleta na parte de trás do cartucho, acendendo a espoleta;
  5. a espoleta aciona o explosivo;
  6. o explosivo atira a bala para fora da arma em alta velocidade.

A parte de dentro de um cano tem estrias, sulcos em espiral que servem para girar a bala enquanto ela sai da arma. Isso dá à bala mais estabilidade enquanto ela voa pelo ar, aumentando sua precisão.

Quando ocorre a explosão, o cartucho se expande e fecha a culatra temporariamente, para que todos os gases em expansão sejam empurrados para frente e não para trás.

Os revólveres, que podem ser de diversos modelos e tamanhos, são umas das armas mais populares já projetadas em todos os tempos. Seu design é tão simples que eles quase não travam ou falham no disparo.

Obviamente, esse tipo de arma é mais fácil de usar do que uma espingarda de pederneira ou uma arma com cápsula de percussão. Cabem seis balas de uma vez, e só é preciso puxar o gatilho para disparar. Mas ainda há limitações: é preciso puxar o gatilho a cada tiro, e recarregar a arma depois de seis tiros. E os cartuchos vazios são retirados dos cilindros manualmente.

Agora veremos como os fabricantes de armas lidaram com os problemas típicos dos revólveres.