Júpiter

Júpiter

Júpiter é o maior planeta e o quinto a partir do Sol. Ele é a terceira maior
mancha no
céu, atrás do Sol e de Vênus. Júpiter é composto quase em sua totalidade por gás, o que
significa que não
tem uma superfície sólida como a da Terra. Por seu vasto tamanho, o planeta recebeu o nome
do rei dos deuses
romanos. Júpiter é maior que o dobro de todos os outros planetas juntos.

Esse grande planeta tem 63 luas (na última contagem), mais do que qualquer outro.
As quatro maiores luas são Io, Europa, Ganímedes e Calisto. Essas quatro luas
estão entre as primeiras coisas que Galileu viu com seu pequeno telescópio (em 1610).
Considerando seu tamanho, Júpiter gira em uma velocidade surpreendente, completando uma volta a cada 9,8 horas. Júpiter
demora 11,86 anos da Terra para completar uma volta em torno do Sol. Os cientistas acreditam que vida
na forma que conhecemos não possa existir lá. A temperatura é muito fria e a superfície
desse planeta gigantesco é um oceano de hidrogênio líquido que pode ter
16.000 km de profundidade. Se Júpiter fosse oco, mais de 1.300 Terras caberiam
dentro dele.


Informações sobre Júpiter
  • Diâmetro:
    142.984 km
  • Distância média do
    Sol:
    778.412.020 km (5,203 UA)
  • Luas:
    pelo menos 63
  • Composição:
    pequeno núcleo rochoso coberto por gás

Observando Júpiter, mesmo que por um telescópio pequeno, é fácil ver que sua
superfície é dividida entre faixas de cores claras e escuras. As faixas não são
apenas de cores diferentes, mas algumas se movem mais rapidamente do que outras, e elas se movem em
direções opostas. Isso torna a camada externa desse planeta um lugar muito turbulento.
Redemoinhos de cor passam pelo planeta como tempestades com trovões aqui na
Terra. A "tempestade" mais famosa é a Grande Mancha Vermelha. Essa
tempestade é grande o suficiente para comportar mais de duas Terras e é visível do nosso planeta há mais de 300 anos. A Grande Mancha Vermelha é na verdade uma tempestade
muito grande e muito violenta.





Foto cedida pela Nasa

Note as faixas de cores claras e escuras
na superfície de Júpiter



As sondas Voyager 1 e 2 visitaram Júpiter em suas viagens pelo Sistema Solar em 1979. Uma descoberta significativa feita por elas é que Júpiter,
assim como Saturno, tem anéis, embora os de Júpiter sejam pouco visíveis. Os anéis são escuros
e parecem ser feitos de pequenos fragmentos de material rochoso, material que
se move em grande velocidade. Em 1995, a sonda Galileu passou oito anos
na órbita de Júpiter. O Telescópio Espacial Hubble ainda envia informações
sobre o planeta.





Foto cedida pela Nasa

A imagem mostra os pedaços do cometa Shoemaker-Levy
9, apelidado de "colar de pérolas". A mancha escura na parte superior
esquerda de Júpiter é a sombra de Io, uma de suas luas



A gravidade desse planeta gigante atrai objetos que vagam pelo nosso sistema
solar de tempos em
tempos. O mais famoso desses objetos, o cometa Shoemaker-Levy 9, chocou-se com
Júpiter em julho de 1994. Ele deixou marcas escuras na atmosfera do planeta que ficaram
visíveis por muitos
meses. Quando o cometa Shoemaker-Levy 9 se aproximou de Júpiter, ele se
quebrou em
diversos pedaços, sendo apelidado de "colar de pérolas".

Mudanças no planeta

Com seu telescópio caseiro, um astrônomo amador descobriu uma "cicatriz" em Júpiter de que nem a Nasa, agência espacial americana, tinha conhecimento.

Leia mais em VEJA.com