Sobre as águas

Autor: 
Tom Harris

Na última seção, vimos que as enchentes ocorrem quando um volume atípico de águas se acumulou sobre uma determinada área. Isso pode ocorrer de diversas maneiras e há uma grande gama de eventos que podem acontecer.


FEMA News Photo
Em 1993, o Rio Mississippi sofreu uma inundação terrível o que fez com que ele subisse acima do nível das maiores de suas pontes, tais como a ponte Quincy, no estado de Illinois

O tipo de inundação com que a maioria das pessoas está familiarizada ocorre quando uma grande quantidade de tempestades atinge a área durante um período de tempo muito curto. Nesse caso, os rios e as correntes que deslocam o rumo das águas para o oceano estão sobrecarregados.

A variação de temperaturas das estações ocasionam diferentes padrões climáticos. No inverno, por exemplo, o ar sobre os oceanos poderá ser mais quente do que o ar sobre a superfície terrestre, fazendo com que o fluxo de corrente de ar se mova da terra para os mares. Em contrapartida, no verão, o ar sobre a superfície terrestre será aquecido, tornando-se mais quente do que o ar sobre os oceanos. Isso faz com que a corrente de ar tenha o seu curso revertido. Assim, mais águas dos oceanos serão acumuladas e conduzidas sobre a superfície terrestre. Este sistema de monções pode ocasionar um período de chuvas intensas que encontra-se totalmente fora de curso em relação ao clima durante o restante do ano. Em algumas áreas, essas inundações podem ser exarcebadas devido ao excesso de gelo das águas congeladas.

 

Talvez o melhor exemplo de enchente sazonal seja a da expansão anual do Rio Nilo sobre o Egito. No Egito Antigo, as chuvas de monções na nascente do rio levaram o curso d'água a se estender por uma boa distância durante o verão. Nesse caso, a inundação não foi um desastre, mas um ato divino. As águas que se expandiram deixaram sedimento fértil ao longo das margens, tornando a área ideal para o cultivo, uma vez que o rio voltou a seu curso normal. Esse é um dos principais fatores que permitiram que a civilização prosperasse no deserto egípcio. Naqueles tempos, o rio foi bloqueado por uma barragem feita contra a corrente. Essa barragem absorve as águas pluviais e distribui-as durante o ano todo. Isso prolongou a estação de plantio assim, as fazendas egípcias podem fazer com que as colheitas sejam feitas por todo o ano.


FEMA News Photo
Durante a enchente de 1993, os voluntários em St. Genevieve, no estado do Missouri (EUA), encheram sacos de areia formando um dique para desviar as águas da inundação

Uma outra fonte comum de inundação é a atividade rara das marés, que aumenta o alcance dos oceanos mais do que o normal. Isso pode ser causado devido a padrões de correntes aéreas que pressionam as águas dos oceanos para uma direção não usual. Ela pode ser causada por tsunamis, ondas imensas em um oceano oriundas de uma mudança de eixo na crosta terrestre.

As enchentes também ocorrem quando uma barragem construída pelo homem é rompida. Em geral, as barragens são construídas para modificar o curso dos rios para se adequar a um  propósito. Basicamente, a barragem abriga as águas dos rios em um grande reservatório d'água, dessa forma, pode-se decidir quando aumentar ou diminuir o fluxo do rio, ao invés de deixar a natureza decidir. Os engenheiros constroem barragens capazes de se adequar a qualquer volume acumulado de água. Entretanto, pode acontecer de acumular mais água do que os engenheiros inicialmente previram e a estrutura da barragem rompe devido à pressão. Quando isso acontece, um volume massivo de água é liberado de uma única vez e causa uma torrente violenta. Em 1889, uma inundação do tipo ocorreu em Johnstown, no estado da Pensilvânia. Os habitantes foram informados de que uma enchente estava por vir, mas muitos dispensaram o aviso e creditaram-no como pânico infundado. Quando a torrente pegou a cidade, mais de 2 mil pessoas foram atingidas em apenas alguns minutos.


Foto cedida Agência NOAA

Foto cedida Agência NOAA
O centro de Johnstown, na Pensilvânia, após a enchente desastrosa de 1889. Além de destruir Johnstown, a torrente de água também inundou as cidades "rio abaixo", incluindo Washington

A gravidade de uma enchente não depende somente do volume d'água acumulado em um dado período de tempo, mas também da capacidade da terra de absorver esse volume. Como foi visto, um desses elementos é o tamanho dos rios e das correntes em determinada área. Porém, um fator de grande importância é a capacidade de absorção da terra. Quando chove, o solo age como uma esponja. Quando a terra está saturada, ou seja, abrigou toda a água que podia. Qualquer outro volume de água acumulado deverá ser escoado.

Alguns materiais se tornam saturados mais rapidamente do que outros. Para ver como isso funciona, pegue um balde d'água e tente molhar várias superfícies. O solo na região central de uma floresta funciona como uma excelente esponja. É possível jogar muitos baldes de água no local e o solo irá absorvê-los imediatamente. Já a rocha não é algo absorvente, aparentemente, não absorve nenhuma porção de água. No entanto, a argila mais rígida pode incidir entre essas duas. Em geral, o solo preparado para a colheita é menos absorvente do que uma terra não cultivada. Assim, as áreas de cultivo poderão sofrer mais processos de enchentes do que as naturais.

Uma das superfícies menos absorventes é o concreto. Na próxima seção, veremos como o concreto, o asfalto e outras construções humanas podem afetar a inundação.