Os verdadeiros homens das cavernas

Autor: 
Ed Grabianowski

Sabemos que as pessoas das cavernas existiram - homens primitivos e outras espécies relacionadas a humanos habitavam cavernas. A questão é: que importância as moradias nas cavernas tinham para essas pessoas primitivas? Provavelmente nunca saberemos, pois elas não deixaram registros históricos, exceto algumas pinturas nas cavernas e alguns objetos. Entretanto, o consenso geral entre antropólogos e arqueólogos é que as cavernas raramente serviam de moradia permanente. Podem ter servido de abrigo sazonal ou local para acampamento temporário de grupos nômades que iam de um lugar para outro, seguindo os rebanhos que caçavam para servir de alimento.

Algumas espécies pré-humanas ou semelhantes ao ser humano que podem ter vivido em cavernas incluem o Homo antecessor, o Homo neanderthalensis (homem de Neandertal), o Homo erectus e o Homo heidelbergensis. Os homens primitivos, Homo sapiens, também usavam as cavernas de forma esporádica. Vivendo como caçadores-coletores, essas espécies não estabeleciam moradias permanentes. Tinham várias maneiras de construir abrigos, estirando peles de animais sobre ossos, construindo barracos de madeira ou criando montes de terra. Quando encontravam uma caverna apropriada para abrigo, usavam-na.

As cavernas mais comuns do mundo são feitas de calcário, desgastado pela água ácida. Embora existam milhões de cavernas, muitas são impróprias para abrigo. A entrada pode ficar no lado inacessível de um penhasco ou pode ser um longo buraco vertical. O terreno ao redor geralmente impede a visão da entrada para observadores casuais, motivo pelo qual muitas cavernas anteriormente habitadas permaneceram escondidas até que os homens modernos as redescobriram. E não é só o lado externo que assusta - os interiores das cavernas raramente são lugares seguros. São cheios de fendas, ladeiras de pedregulhos; têm várias entradas e saídas, buracos e possíveis quedas de rochas. Basta andar algumas dezenas de metros a partir da entrada para que o local fique totalmente escuro. E sem ventilação natural, fica difícil respirar. Uma caverna própria para morar é realmente muito rara.



O que é um troglodita?


Troglodita
é um termo usado como sinônimo para homem das cavernas. É uma palavra grega que, literalmente, significa "alguém que vive em um buraco ou debaixo da terra". Existem referências históricas e bíblicas de uma tribo de pessoas na costa oeste da África que vivia em cavernas - Troglodyti ou Troglodytae.

Os homens de Neandertal são uma espécie específica - conhecida por gostar de viver em cavernas - que existiu em uma grande área da Europa durante o período glacial. O clima severo os forçou a serem adaptáveis e criativos. Os arqueólogos acreditam que eles usavam duas estratégias principais: mobilidade ambulante e mobilidade divergente. Com a mobilidade ambulante, cada grupo de homens tinha vários acampamentos temporários, alguns incluindo cavernas, espalhadas por uma região. Eles iam de um lugar para outro em busca de terras melhores para caçar. Com a mobilidade divergente, o grupo tinha um acampamento central. Os grupos de caça saíam do acampamento, indo cada vez mais longe à procura de comida. Em alguns casos, esses acampamentos principais eram cavernas [fonte: Tattersall]. As cavernas atendiam às necessidades dos homens de Neandertal porque eles viviam em grupos muito pequenos (cerca de uma dúzia de pessoas). Algumas cavernas podiam suportar populações maiores. Existem evidências de que, em pelo menos um caso, os homens de Neandertal e os homens primitivos viveram na mesma caverna, ao mesmo tempo, e compartilharam recursos [fonte: Viegas (em inglês)].

Na próxima seção, veremos as evidências arqueológicas da vida pré-histórica nas cavernas - em particular, as pinturas.



A era dos habitantes das cavernas


A maioria das pessoas, quando fala dos homens das cavernas, pensa no Período Paleolítico, às vezes, chamado de Idade da Pedra (que é realmente uma parte da Idade da Pedra). Estende-se de mais de 2 milhões de anos até entre 40 mil e 10 mil anos. Ironicamente, é provável que existam mais seres humanos vivendo permanentemente em cavernas hoje do que naquele período da história humana.