Espinossauro

Autor: 
Publications Ltd.

Período: Cretáceo Tardio (em inglês).

Ordem, subordem, família: Saurischia, Theropoda, Spinosauridae.

Localização: África (Egito, Níger).

Comprimento: 12 metros.

Em 1912, uma expedição paleontológica alemã descobriu fósseis de diversos dinossauros do período cretáceo tardio no Egito. O espinossauro, um grande terópode, era um desses dinossauros. Recebeu seu nome, que significa "réptil com espinhos", devido aos altos esporões de suas vértebras (ossos das costas). Alguns dos esporões tinham altura superior a 1,5 metro e formavam uma espécie de barbatana no dorso do animal, semelhante à do dimetrodonte, um réptil semelhante aos mamíferos do período permiano.

É interessante que o ornitópode herbívoro ouranossauro, um dinossauro também dotado de barbatana nas costas, da mesma época, mas não aparentado ao espinossauro, tenha sido localizado na África do Norte, perto dos locais de escavação do espinossauro. Dois dinossauros dotados de barbatanas nas costas, mas não aparentados pode ser indicação de que o clima da área influenciou o desenvolvimento dos animais dotados de barbatanas. Essas barbatanas podem ter servido para regular temperaturas, liberando calor em dias quentes e absorvendo-o em dias frios, Também podem ter tido funções decorativas, para atrair membros da mesma espécie e assustar os de outras.

Embora o esqueleto localizado estivesse incompleto, o espinossauro demonstrava diversas outras características interessantes. Era um terópode longo. Os dentes eram diferentes dos dentes dos demais terópodes porque o serrilhado (as cristas cortantes nas laterais) era muito pequeno. Ainda mais incomum é que os dentes tivessem forma de cones, e não de lâminas. Essas características, além da forma dos ossos do crânio, demonstram a semelhança entre o espinossauro e o barionix. Ambos podem ter sido parte da família dos espinossaurídeos. O espinossauro talvez comesse peixes, mas é difícil imaginar um animal desse porte capturando peixes em volume suficiente para seu sustento. É mais provável que suas presas fossem animais terrestres.

O esqueleto original desse terópode foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial (em inglês). Recentemente, porém, um pedaço de osso de crânio pertencente a outro espinossauro foi encontrado em depósito em um museu alemão. Talvez outra expedição ao Egito descubra mais esqueletos, para que possamos saber mais sobre o espinossauro.