E se alguém viajasse acima da velocidade da luz?

Autor: 
William Harris

Dá para imaginar o Super-Homem voando atrás de uma bala, acelerando até ficar mais veloz que ela - e parando o projétil antes que atinja o alvo. Não parece nada de anormal para um super-herói. O voo do Super-Homem obedece à visão de tempo e espaço de Newton: a posição e o movimento de objetos no espaço são mensuráveis em relação a um ponto absoluto, imóvel, de referência.

No início do século 20 os cientistas se aferravam à visão newtoniana do mundo. Aí o matemático e físico Albert Einstein veio com algo que mudou tudo. Em 1905 Einstein publicou sua teoria da relatividade especial, com uma ideia estarrecedora: não existe um ponto privilegiado de referência. Tudo - até o tempo - é relativo. Dois princípios importantes fundamentavam sua teoria. O primeiro dizia que as mesmas leis da física se aplicam igualmente a todos os pontos de referência em movimento constante. O segundo estabelecia que a velocidade da luz (cerca de 300.000 km/s) é constante e independente do movimento do observador ou da fonte de luz. Segundo Einstein, se o Super-Homem voasse à metade da velocidade da luz tentando alcançar um facho de luz o facho continuaria a se afastar dele a exatamente a mesma velocidade.

Esses conceitos parecem simples, mas contêm implicações de dar nó na cabeça. Uma das mais importantes é representada pela famosa equação de Eisntein E=mc², onde E é energia, m é massa e c é a velocidade da luz. De acordo com a equação, massa e energia são a mesma entidade e podem ser transformadas uma na outra. Devido a essa equivalência, a energia que um objeto tem graças ao movimento fará sua massa aumentar. Em outras palavras, quanto mais veloz um objeto, maior sua massa. Isso se torna perceptível somente a velocidades realmente altas. Se o objeto se mover a 10% da velocidade da luz, por exemplo, sua massa será apenas 0,5% maior que a normal. Mas se ele se mover a 90% da velocidade da luz sua massa será duplicada.

Conforme um objeto se aproxima da velocidade da luz sua massa aumenta abruptamente. Se um objeto tentar atingir 300.000 km/s sua massa se tornará infinita, assim como a energia necessária para movê-lo. Por isso nenhum objeto normal pode viajar à velocidade da luz ou acima dela.
Então a resposta à pergunta do título deste texto é que não é possível viajar à velocidade da luz. Mas o que acontece perto da velocidade da luz? Saiba na próxima página.