Biografia de Francis Crick e James Watson

Autor: 
Editores do HowStuffWorks
Crick, Watson e o DNA

Identificar a estrutura do DNA foi uma aventura que começou no século 19 com o pai da genética Gregor Mendel. No século 20, essa tarefa virou uma disputa entre brilhantes cientistas para ver quem solucionava antes o enigma. No fim, os créditos ficaram para o norte-americano James Watson e o britânico Francis Crick, que em 1953 revelaram ao mundo o resultado de suas descobertas.

Mas até chegarem lá eles usaram os resultados de pesquisas de vários cientistas, algumas vezes até inescrupulosamente, dependendo do ponto de vista, e também cometeram uma série de trapalhadas. Antes disso, o primeiro passo significativo na direção de decifrar o DNA foi dado pelo bioquímico suíço Friedrich Miescher que em 1869 investigava a composição dos glóbulos brancos no sangue. Nessa pesquisa, ele descobriu uma substância orgânica diferente de tudo o que se tinha visto até então e deu a ela o nome de nucleína, que era o que hoje chamamos de ácido desoxirribonucléico ou DNA.

Brincando de Deus

Podemos ver desde já como brincar de Deus “construindo” a estrutura do DNA de qualquer tipo de indivíduo. Pode ser que um dia, talvez mais cedo do que pensamos, venhamos a ser capazes de fazer isso. Mas mesmo olhando para o lado claro, isso conduz a uma incógnita paradoxal. Poderíamos certamente eliminar as doenças. Poderíamos também pretender produzir indivíduos excepcionais – digamos um Picasso, ou o próprio Einstein, ou mesmo um outro Crick. Um gênio é por definição o mais individual dos indivíduos (derivando a palavra do latim genius: aquela qualidade particular que é inata a uma pessoa ou coisa). Se pudermos fazer um, poderemos cloná-lo. Mas nesse caso a individualidade deixa de existir... E isso se olharmos para o lado claro.

(Paul Strathern, em “Crick, Watson e o DNA”)


Desde então, vários pesquisadores no mundo inteiro desenvolveram a genética como um dos mais promissores e perigosos ramos da ciência. Nos anos 1940, os cientistas já haviam feito um progresso considerável na análise do DNA, mas persistiam dúvidas essenciais. Era necessário descobrir de que maneira a informação genética contida no DNA era transmitida e como ela era transmitida. É nesse momento que entra em cena a dupla Crick e Watson e seus “concorrentes”.

Nas próximas páginas, conheça um pouco mais das vidas desses dois cientistas e da aventura deles para decifrar o DNA.

watson e crick
Reprodução


Este artigo é um resumo do livro “Crick, Watson e o DNA em 90 minutos”, de Paul Strathern, da coleção “Cientistas em 90 minutos” da Jorge Zahar Editor, publicado em 2001.