Clonagem de mamutes e de dinossauros

Autor: 
Tracy Wilson

Além de usar ADN de insetos aprisionados no âmbar, existem diversas teorias sobre métodos que cientistas poderiam usar para clonar dinossauros. Uma delas envolve localizar espécimes de ADN (em inglês) em ossos fossilizados e não nos corpos dos insetos. O processo de fossilização envolve substituir o tecido orgânico dos ossos dos animais por minerais. Isso efetivamente destrói as células que poderiam conter ADN.

Mammoth skull
Koichi Kamoshida/Getty Images
Um mamute congelado descoberto na zona de tundra gelada da Sibéria, em exposição na Global House, em Nagakute, Japão, em 18 de março de 2005

No entanto, uma equipe de paleontólogos descobriu o que parecem ser tecidos macios nos ossos de um Tyranossaurus rex. Foi uma descoberta completamente imprevista: até aquele momento, os cientistas acreditavam que todos os tecidos macios fossem destruídos no processo de fossilização. No entanto, a equipe de pesquisa ainda não isolou o ADN das amostras de tecidos macios obtidas. Embora a descoberta não necessariamente garanta que os pesquisadores virão a encontrar ADN intacto em fósseis, ela torna a idéia mais provável do que parecia alguns anos atrás.

Outra idéia intrigante é que pesquisadores sejam capazes de seqüenciar o ADN dos dinossauros e recriar as porções de ADN necessárias. A esta altura, isso não é possível. O seqüenciamento do genoma humano, por exemplo, demorou 13 anos e o produto final do processo não era algo que cientistas pudessem usar para clonar pessoas. Reconstruir seqüências completas de ADN de dinossauros requereria tecnologia bem distinta daquela que existe atualmente.

Isso nos deixa com uma alternativa interessante à clonagem de dinossauros - a clonagem de mamíferos extintos, como os mamutes. Fósseis de mamutes são significativamente mais novos do que fósseis de dinossauros - têm apenas 30 mil anos de idade. Essa diferença de idade dá ao ADN muito menos tempo de decomposição. Mas um projeto de clonagem de um mamute requereria um espécime perfeitamente preservado. Os tecidos do mamute não poderiam ter passado por ciclos de congelamento e descongelamento, nem tampouco sido preservados a temperaturas extremamente baixas, capazes de prejudicar o ADN. No entanto, a idéia de reunir os indícios necessários para avaliar com mais detalhes a composição genética de um mamute não é completamente insensata. Em 2005, uma equipe de pesquisa relatou ter seqüenciado um trecho do genoma de uma mamute.

Uma segunda opção para trazer mamíferos extintos de volta à vida seria usar esperma fossilizado para inseminar os óvulos de mamíferos aparentados. O animal resultante seria um híbrido, com apenas metade do código genético do mamute macho que serviria como pai. Um projeto para fazer exatamente isso foi proposto por uma equipe de pesquisa japonesa em 2006 [fonte: Times Online].

Esses avanços na paleontologia e na tecnologia genética tornaram a idéia de clonar dinossauros um pouco mais provável para o futuro distante. Mas a possibilidade continua a ser pequena, especialmente no horizonte de tempo de nossas vidas.

Quer aprender mais sobre clonagem, dinossauros e outros assuntos? Você encontrará mais informações na próxima seção.