Braquiossauro

Autor: 
Publications Ltd.

Período: Jurássico Tardio.

Ordem, subordem, família: Saurischia, Sauropodomorpha, Brachiosauridae.

Localização: América do Norte, África (Tanzânia).

Comprimento: 23 metros.

O braquiossauro, cujo nome significa "braço de réptil", era o dinossauro girafa do jurássico. Com seu pescoço longo (quase 9 metros de comprimento) e longas patas dianteiras, esse saurópode gigante era capaz de consumir brotos frescos no topo das árvores, a mais de 12 metros do chão. Se o braquiossauro ainda existisse, seria capaz de espiar pela janela do quarto andar de um edifício.

Outros dinossauros podem ser maiores, como o antarctossauro, o ultrassauro e o superssauro, ou mais longos, como o sismossauro, mas esse é o maior saurópode conhecido com base em esqueletos quase completos. Até agora, para muitos paleontologistas, ele representa o campeão em tamanho. Com peso de 80 toneladas (o equivalente a 12 elefantes), o braquiossauro era um dinossauro colossal, que sentia necessidade de se alimentar constantemente.

As patas dianteiras eram mais longas que as traseiras e a cauda era relativamente curta. O braquiossauro era pesado na frente e leve na parte de trás. A caixa torácica era imensa mas, como suas pernas eram muito altas, o ventre do animal ficava tão longe do chão que um estegossauro podia caminhar sob ele.

O crânio do braquiossauro era pequeno e suas mandíbulas eram fracas. Como as narinas ficavam em posição elevada na cabeça, quase entre os olhos, os paleontologistas inicialmente acreditavam que ele vivesse na água e usasse as narinas como um tubo de ar, mas, na verdade, ele vivia em terra. Não era provável que entrasse com freqüência na água, porque os fundos lodosos podiam ser escorregadios e perigosos.

O pescoço longo e as patas dianteiras se assemelhavam aos de uma girafa, e é possível que o braquiossauro, assim como as girafas africanas de hoje, agisse como guarda. Enquanto comia os brotos das árvores mais elevadas, ele ficava atento a alossauros que se aproximassem sorrateiramente para ataques. Herbívoros menores e mais baixos, como o apatossauro e o estegossauro, observavam o braquiossauro em busca de sinais de alarme.

Os braquiossauros adultos eram enormes a ponto de pesar 40 vezes mais que seu principal inimigo, o alossauro. A menos que um adulto estivesse ferido ou doente, teria pouca razão para se preocupar com um alossauro, mas um braquiossauro jovem não teria defesa. Quando um adulto sinalizava perigo, os animais mais jovens provavelmente corriam para o centro do rebanho em busca de proteção.

A escavação de braquiossauros na Tanzânia, África, na primeira metade do século 20, envolveu centenas de trabalhadores locais que carregavam os enormes ossos até os portos, caminhando longas distâncias. Os espécimes eram, em seguida, enviados à Alemanha e os ossos eram montados no Museu Humboldt, no leste de Berlim. O museu foi projetado para acomodar o esqueleto de um braquiossauro. O esqueleto continua em exposição e ainda é o mais impressionante dinossauro montado no planeta. Continua a deslumbrar visitantes como fazia décadas atrás.

Infelizmente, apenas alguns espécimes de braquiossauro foram localizados no oeste da América do Norte. Pode ter havido duas espécies, uma nos Estados Unidos e outra no leste da África, mas elas eram semelhantes a ponto de indicar que as populações devem ter tido alguma conexão antes que Pangea se rompesse. Trata-se de um dos mais longos alcances já registrados para animais terrestres.