As piranhas podem realmente devorar uma vaca em menos de um minuto?

Autor: 
Julia Layton
piranhas

Quando Theodore Roosevelt (em inglês) veio a uma expedição de caça no Brasil em 1913, viu que o investimento valeu a pena. Em pé na ma­rgem do rio Amazonas, ele observou piranhas (em inglês) atacarem uma vaca (em inglês) com uma ferocidade chocante. Foi uma cena clássica: água em ebulição com piranhas em frenesi, muito sangue e, após um minuto ou dois, um esqueleto flutuando na superfície subitamente calma.

Piranhas kept at Sea World in Jakarta enjoy a feeding frenzy.
Adek Berry/AFP/Getty Images
Piranhas mantidas no Sea World em Jacarta desfrutam de um furor alimentar

Roosevelt ficou horrorizado e escreveu realmente um bocado sobre as criaturas cruéis e seu livro de 1914, "Through the Brazilian Wilderness" (título em português: "Nas selvas do Brasil"). Ele recontou as histórias de pessoas do local que foram comidas vivas e outras que perderam partes do corpo para as piranhas enquanto se banhavam no rio. "Elas são o peixe (em inglês) mais feroz do mundo", declarou Roosevelt ao mundo. "Elas arrancam o dedo de uma mão que descuidadamente passa pela água; elas mutilam nadadores - em todas as cidades ribeirinhas no Paraguai (em inglês) há homens que foram mutilados dessa forma; elas despedaçam e devoraram qualquer homem ou animal ferido; o sangue na água as excita até a loucura". A lenda da piranha começara.

Boi-de-piranha

No Brasil, existe a expressão "boi-de-piranha" que quer dizer a pessoa que o bode expiatório, aquele que leva a culpa em relação aos outros. A expressão vem de uma prática dos criadores de boi do Pantanal. Eles colocam um boi mais velho no rio para ser devorado pelo cardume enquanto o resto da boiada segue em frente.

Hollywood tirou daí as informações para lançar o filme de terror de 1978 "Piranha" ("Quando piranhas carnívoras são soltas acidentalmente nos rios de um resort de verão, os hóspedes se tornam sua próxima refeição") e de 1981 "Piranha II: A Desova", além de uma refilmagem do filme B original a ser lançada ainda em 2008 [fontes: IMDb, Movie Insider]. A piranha assassina foi transposta para o século 21 com ainda mais sangue.

Mas a reputação cruel é merecida? Roosevelt testemunhou o agora famoso incidente do devoramento da vaca no Brasil, onde as piranhas vivem em números especialmente altos. Contudo, elas são nativas e bastante comuns por todo o rio Amazonas e América do Sul - da Argentina à Colômbia. Então os bovinos sul-americanos são uma refeição comum para esses peixes ferozes? E por que há vacas frequentando o rio Amazonas?

Peixe Dente
O nome "piranha" é derivado da linguagem dos índios Tupis, nativos do Brasil. Ele é uma combinação da palavra tupi pira, ou "peixe" e ranha, que significa "dente".

Deixando de lado o relato do ex-presidente dos EUA, piranhas devorando uma vaca - ou um ser humano - até os ossos em menos de um minuto pode parecer um conto do vigário. Será que isso pode ser possível mesmo para um bando de peixes de 25 cm e 1,3 kg?

Vamos descobrir.

­