Como funcionam os astronautas

Autor: 
William Harris

 A tripulação da Apollo 13. Da esquerda para a direita estão Comandante James A. Lovell Jr., módulo de comando piloto John L. Swigert Jr. e o piloto de módulo lunar Fred W. Hayes Jr.
imagem cedida pela NASA
A tripulação da Apollo 13. Da esquerda para a direita estão Comandante James A. Lovell Jr., módulo de comando piloto John L. Swigert Jr. e o piloto de módulo lunar Fred W. Hayes Jr.  Veja mais imagens da NASA.

Diga a palavra "astronauta" e você logo invocará as visões de heróis e feitos heróicos: Alan Shepard e Virgil Grissom concluindo com sucesso os voos suborbitário; John Glenn orbitando a Terra a bordo do Friendship 7 em um voo histórico de cinco horas; Neil Armstrong descendo a escada do módulo lunar na superfície da Lua; e Jim Lovell estabilizando a Apollo 13 após uma explosão.

Mas ser um astronauta não é só glória e glamour. E geralmente não se trata de estar no espaço. Na verdade, o tempo máximo total que um astronauta passou no espaço foi pouco mais de 803 dias - o caso ocorreu com Segei Krikalyov. Isso não chega a dois anos e meio. Ao considerar que a maioria das pessoas passa de 30 a 35 anos trabalhando, esse número não é tão impressionante. O que os astronautas fazem com o resto do tempo?

Bom, a maior parte dos astronautas norte-americanos é funcionário público. E como tal, eles precisam participar de reuniões, ir a sessões de treinamento e escrever relatórios - como qualquer outro funcionário de escritório. Entretanto, possuem algumas habilidades específicas, exclusivas a seu trabalho. E eles desfrutam, embora raramente, de oportunidades de viagem e trabalho no espaço. Desse ponto de vista, você pode dizer que os astronautas são funcionários comuns do governo que precisam viajar muito, tanto pelo mundo quanto no espaço.

Mas vamos começar com os princípios básicos - o que exatamente é um astronauta?

Bichos no espaço

Os animais foram ao espaço com grande freqüência, realizando o sonho de muitas pessoas. Nesta galeria, veja casos em que astronautas foram substituídos por cachorros e macacos.

Leia mais em VEJA.com