O que é um asteróide?

Autor: 
Craig Freudenrich, Ph.D.
UA
UA significa unidade astronômica e baseia-se na distância média da Terra ao Sol, 1,5x108 km.

Em 1772, o matemático Johann Titus e o astrônomo Johann Bode descobriram uma seqüência matemática nas distâncias dos planetas a partir do Sol - essa seqüência previa a possibilidade de um planeta orbitar entre Marte e Júpiter a 2,8 UA (4.2x108 km) do Sol. Então, os astrônomos começaram a procurar esse possível planeta e, em 1801, o astrônomo italiano Giuseppi Piazzi descobriu um corpo indistinto nessa distância, ao qual ele deu o nome de Ceres. Entretanto, Ceres era mais indistinto do que Marte ou Júpiter, então, Piazzi concluiu que ele era muito menor. Outros corpos pequenos foram descobertos mais tarde nessa mesma adjacência. Esses objetos foram chamados de asteróides (o que significa semelhante à estrela) ou planetas menores.


Foto cedida pela NASA
Asteróide Gaspra, visto da espaçonave Galileo

Os asteróides são corpos pequenos e rochosos que orbitam o Sol entre as órbitas de Marte e Júpiter, que em todo lugar é de 2,1 UA (3,15x108 km) a 3,2 UA (4,8x108 km) do Sol. Existem mais de 20 mil asteróides conhecidos. Eles possuem forma irregular e têm diversos tamanhos que podem variar de um raio de 1 quilomêtro a centenas de quilômetros (Ceres é o maior, com um raio de 457 km). Medindo as flutuações em seu brilho, sabemos que muitos asteróides giram em períodos de 3 a 30 dias.

Além do tamanho, forma e rotação, sabemos relativamente muito pouco sobre esses objetos. É difícil calcular sua massa, pois não são grandes o suficiente para atrapalhar a gravidade de Marte ou Júpiter, mas estima-se que Ceres pese aproximadamente 1.2 x 1021 kg. Suas densidades são cerca de 2 a 4 g/cm3, o que é típico de corpos rochosos. Ao examinar os espectros de luz refletidos desses objetos, podemos classificar os asteróides como:

  • C - escuro, provavelmente contém carbono (carbonáceo)
  • S - duas vezes mais brilhante que o C, provavelmente feito de ferro rochoso
  • M - semelhante aos meteoritos de ferro
  • P e D - pouco brilho, avermelhado

Os asteróides parecem ter duas origens diferentes:

  • destroços resultantes da nebulosa original que deu origem ao universo e que não se compactaram (C)
  • resquícios de um planeta fragmentado por problemas gravitacionais

Acreditamos que os asteróides são os restos dos planetesimais, pedaços antigos do sistema solar que se formaram entre Marte e Júpiter. Alguns dos planetesimais começaram a se transformar em planetas, mas foram quebrados em fragmentos pela imensa gravidade de Júpiter. Outros não começaram a formar planetas (por razões desconhecidas).

Muitas perguntas sobre asteróides permanecem sem resposta, pois eles nunca foram estudados intimamente. Até agora.