Tipos de abelhas

Autor: 
Tracy Wilson

Em termos científicos, as abelhas pertencem à superfamília de insetos Apoidea. Essa superfamília inclui várias famílias, subfamílias, tribos e aproximadamente 20 mil espécies de abelhas. Em cada família as abelhas possuem características em comum, como os métodos de construção dos ninhos. Espécies diferentes geralmente têm características físicas distintas, como o formato da asa ou o tamanho da língua.

Muitas pessoas estão mais familiarizadas com as abelhas farejadoras e com as abelhas grandes. As duas são abelhas sociais, ou seja, elas vivem em grupos grandes. As abelhas sociais usam secreções de cera que saem de seus corpos para construir ninhos e locais grandes para armazenar comida e criar as abelhas jovens. Um terceiro tipo de abelha social é a sem ferrão. As abelhas sem ferrão são nativas de áreas tropicais, onde algumas sociedades as usam para a produção de mel. Até recentemente, a criação de abelhas sem ferrão era comum nas regiões dos maias da América do Sul (em inglês), mas a prática quase desapareceu nos últimos 20 anos.

A honeybee colony in the wild
Foto cedida por MadMaven/T.S.Heisele/ Stock.xchng
Uma colônia de abelhas na floresta

Embora as abelhas grandes e as domésticas sejam sociais, suas sociedades se diferenciam consideravelmente. As colônias de abelhas domésticas, ou colméias, são permanentes. A rainha e suas filhas usam cera das glândulas cerígenas em seus abdômens para construir um ninho que dura por gerações. Se a colméia ficar superlotada, as operárias, que são todas fêmeas, irão criar uma nova rainha, alimentando-a durante todo seu desenvolvimento com geléia real, produzida por uma glândula em suas cabeças. A antiga rainha irá deixar a colméia com cerca de metade das operárias para construir um novo ninho, e a nova rainha ficará para trás. As abelhas sabem que precisam criar uma nova rainha quando param de receber a quantidade suficiente de feromônio da rainha, que é produzido em suas glândulas mandibulares.

When honeybees leave a hive to start a new nest, they form a swarm.
Foto cedida por MorgueFile
Quando as abelhas domésticas deixam a colméia para construir um novo ninho, elas formam um enxame

As abelhas grandes, por outro lado, possuem ninhos anuais. A cada ano, a rainha se acasala no outono e passa o inverno abrigada. Na primavera, ela sai e constrói um ninho no qual deposita os ovos. Quando suas filhas saem dos ovos, elas se tornam operárias e ajudam a rainha a aumentar o ninho. No fim do verão, a rainha deposita os ovos, que se transformam em novas rainhas e em zangões. Os zangões se reúnem na área de acasalamento para se acasalar com as rainhas de várias colônias, e assim o ciclo continua.

Muitas pessoas estão mais familiarizadas com as abelhas sociais porque elas podem ser mais visíveis do que as solitárias. Muitas espécies sociais produzem substâncias usadas pelas pessoas, como o mel e a cera alveolada, e as pessoas podem ver grandes enxames se alimentando em pomares e jardins. A maioria das abelhas, porém, não são sociais. Menos de 15% das abelhas vivem em colônias. As outras são solitárias. Elas podem apresentar algumas tendências sociais, mas não constroem grandes colméias ou armazenam bastante mel extra. Em vez disso, elas constroem ninhos pequenos que têm o tamanho suficiente para armazenar alguns ou apenas um ovo. Algumas vezes, várias abelhas solitárias constroem seus ninhos próximos uns dos outros; com exceção do acasalamento e da ocasional defesa em grupo da área do ninho, porém, essas abelhas não costumam interagir umas com as outras.

Some bee species use snail shells to make their nests.
Foto cedida por Museu de História Natural da Eslovênia
Algumas espécies de abelhas usam conchas de caracóis para construir seus ninhos

Muitas abelhas solitárias são conhecidas pela maneira como constroem seus ninhos. Elas podem usar cerume, um tipo de cera secretada por seus corpos, ou própolis, uma cola que as abelhas produzem com a resina de árvores. Muitas abelhas adicionam outros materiais a essas substâncias, por exemplo:

  • carpinteiras fazem buracos em madeira sem pintura e sem acabamento. Algumas pessoas confundem as carpinteiras com as abelhas grandes;
  • rebocadoras fazem buracos e túneis com uma secreção glandular parecida com cimento;
  • cortadoras-de-folhas usam seus aparelhos bucais para cortar pedaços de folhas, usados para revestir seus ninhos;
  • construtoras, que estão na mesma família das cortadoras-de-folhas, usam a saliva e as secreções das glândulas mandibulares para colar areia e pedregulhos;
  • cardeadoras reúnem partes de plantas com pêlos ou lãs para revestir seus ninhos.

Outras abelhas se aproveitam de materiais existentes quando constroem seus ninhos. Algumas usam cupinzeiros ou ninhos de vespas. Outras espécies depositam seus ovos em conchas vazias de caracóis, dividindo-as em duas câmaras usando secreções glandulares ou depositando um ovo em cada concha. As conhecidas como parasitas, depositam seus ovos nos ninhos de outras abelhas. Elas não têm estruturas para coletar pólen, e dependem do pólen de outras abelhas para alimentar suas crias.

The orchid bee, Apinae euglossini, has an extremely long proboscis.
Foto cedida por Ralph Holzenthal/2003 Membros do conselho da Universidade de Minnesota
A abelha das orquídeas, Apinae euglossini, tem um probóscide extremamente longo usado para alcançar o néctar dentro das flores das orquídeas.

Outras abelhas solitárias são conhecidas pelo tipo de flores que freqüentam ou por outras características diferenciadas. Pequenas abelhas do suor, por exemplo, são atraídas pelo suor humano. As abelhas das orquídeas são bem coloridas e costumam ter uma aparência metálica. Os cientistas acreditam que as orquídeas e as abelhas das orquídeas se desenvolveram juntas de um modo tal que agora uma se tornou dependente da outra. Essas abelhas possuem um probóscide bem longo, e as orquídeas armazenam seu néctar no fundo de suas flores. A espécie das abelhas das orquídeas é uma das poucas em que os machos realizam atividades produtivas que não a de acasalamento. Em algumas espécies, os zangões das abelhas das orquídeas coletam óleos aromáticos de flores usando partes de suas pernas que se parecem com uma pá. Como as fêmeas não coletam esses óleos, os cientistas acreditam que os zangões podem usá-los para atrair uma parceira.

Embora as abelhas sociais e as solitárias apresentem diferenças consideráveis na maneira como vivem e constroem seus ninhos, elas têm muito em comum quando se trata de reprodução. Vamos ver o ciclo de vida da abelha na próxima seção.

Abelhas africanizadas
Em 1957, as pessoas importaram abelhas africanas para o Brasil (em inglês) e, inadvertidamente, as soltaram na floresta. Elas se acasalaram com as abelhas européias, criando as abelhas africanizadas. Essas abelhas são praticamente idênticas às européias, mas tendem a ser bem mais agressivas quando estão defendendo seus ninhos. Por essa razão, a mídia as trata como "abelhas assassinas". As abelhas africanizadas se espalharam do Brasil para outras partes da América do Sul e Central e para a parte sul dos Estados Unidos, inclusive para Flórida, Califórnia e Arizona. Essas abelhas são mais perigosas quando pessoas ou animais ficam muito próximos de seus ninhos, mas elas produzem mel e polinizam plantas como qualquer outra abelha doméstica. Você pode aprender mais sobre as abelhas africanizadas e como evitá-las no site da Universidade Texas A&M (em inglês).